O que é o método Getting Things Done (GTD)?

O GTD, ou Getting Things Done, é um método de gerenciamento de ações para conseguir maior produtividade. O método é o mesmo tirado do titulo do livro de David Allen, seu criador, que foi lançado no Brasil, em 2001, sob o título Produtividade Pessoal – A arte da produtividade sem stress e relançado em 2005 sob o título A arte de fazer acontecer – Uma fórmula anti-stress para estabelecer prioridades e entregar soluções no prazo.

PostIt-GTD

Outros dois autores, Edwin C. Bliss e Malcolm Hancock, também lançaram livros sobre gerenciamento do tempo com o mesmo título, Getting Things Done, mas o pai da ideia ainda continua sendo David Allen.

Em que se baseia o GTD

Por princípio, uma pessoa, para ter produtividade, precisa tirar as tarefas de sua mente e registrá-las em qualquer lugar, deixando a mente livre da obrigação de se lembrar de tudo o que precisa ser feito, concentrando-se exclusivamente na tarefa em que está fazendo.

Esta é a base do GTD. David Allen partiu da ideia de que todos os métodos existentes para tentar melhora a produtividade humana tinham alguma falha ou se mostravam muito complicados. Buscando alguma coisa mais simples, que pudesse ser feita sem muito esforço, reuniu diversos aprendizados e técnicas de produtividade já existentes e publicou o livro Getting Things Done que, traduzido literalmente, seria “tendo as coisas feitas”.

Allen ainda publicou mais dois livros sobre o assunto, Ready for anything e Making it all work, sendo que este último foi publicado em português com o título Fazendo as coisas acontecerem, atualmente fora de circulação.

Os cinco passos do GTD

O método de David Allen tem como base cinco passos para que as coisas possam acontecer, mantendo um bom nível de produtividade:

1. Coleta

Neste primeiro passo é preciso tirar da memória todas as ideias e lembranças de coisas que devem ser feitas e passar para um lugar mais confiável, como escrever num papel. Os adeptos do GTD geralmente podem ser vistos com um bloco de notas e uma caneta, ou, mais atualmente, anotando coisas no celular.

2. Processamento

O praticante de GTD precisa de um fluxograma para guiar o processo de coisas a fazer e ter um tempo do dia para se dedicar com foco e atenção na análise de cada uma das anotações que capturou.

3. Organização

Um dos passos do GTD, obviamente, é a organização. Como estamos tratando de produtividade, é certo que uma pessoa desorganizada não consegue ser produtiva, não consegue manter o foco sobre uma coisa só. As listas devem estar organizadas de maneira que possam ser acessadas na hora certa e no lugar certo.

4. Revisão

Refletir sobre as atividades é também o momento de planejamento no GTD, quando você deve parar para definir prioridades. Esta é uma revisão que devemos fazer de todo o sistema em que estamos ocupados, sem perder nada de vista.

5. Execução

Segundo as palavras de David Allen, é executar com significado, isto é, saber o que está fazendo no momento e dedicar-se ao que está fazendo. O momento da execução de algo deve ser o mais importante do dia, para aquilo que está sendo feito, em vez de ficar com a cabeça preocupada com outros assuntos. Mantendo o controle sobre a execução do momento, você mantém o controle sobre a mente, porque definiu as prioridades e sabe a hora certa de cada coisa.

O conceito em que mais se baseia o GTD é o chamado mind like water, ou seja, mente clara como a água. É esta uma analogia com os ensinamentos das artes marciais, especificamente de Bruce Lee, que lembra a tranquilidade de ter tudo sob controle.

O cuidado que você precisa ao assumir o GTD para sua vida é lembrar-se de que a vida não é totalmente previsível, que imprevistos podem acontecer e que você precisa estar preparado para eles. Mas, quando sabe se organizar, torna-se mais fácil enfrentar os imprevistos e retornar ao método organizado.

Se aplicarmos aí a analogia da água, também percebemos que um lago nem sempre é tranquilo, podendo estar revolto quando em meio a uma tempestade, mas ele volta ao seu estado original depois de passada a tormenta.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *